XVI EPP e II CIPTF | Primeiro dia tem Fóruns de Professores, palestra sobre formação em Psicologia e apresentações culturais na cerimônia de abertura

O XVI Encontro Paranaense de Psicologia e o II Congresso Internacional de Psicologia da Tríplice Fronteira (XVI EPP e II CIPTF) começaram nesta quarta-feira (22) com uma programação voltada a Professores e Coordenadores de Curso de Psicologia. Os Fórum reuniram docentes das áreas de Avaliação Psicológica, Ética e Psicologia Organizacional e do Trabalho (POT), além dos Coordenadores e Responsáveis Técnicos dos Serviços-Escola, com o objetivo de trocar experiências e conhecimentos.

“Este é um momento de discussão de assuntos extremamente sérios na formação em Psicologia, especialmente em um momento de bastante fragilidade das pessoas. Na pauta estavam assuntos como as novas Diretrizes Curriculares Nacionais e o atendimento online”, analisa o Psicólogo e professor Raphael Henrique Castanho Di Lascio (CRP-08/00967), da Universidade Positivo.

Um dos encaminhamentos deste Fórum foi o de redigir um documento sobre os estágios não obrigatórios, orientando que o(a) supervisor(a) tenha número de CRP ativo. “A pessoa que faz a supervisão tem um compromisso com a profissão, e precisa fazer as coisas de forma extremamente séria e ética”, disse o Psicólogo.

Além disso, o grupo se propôs a atuar na área da saúde pública, que atualmente não possui estrutura para atender à demanda da população. “A demanda das clínicas de Psicologia hoje está muito alta. Nós estamos atendendo, mas esta seria uma competência dos equipamentos públicos. Precisamos discutir esta questão amplamente porque quem está precisando deste atendimento é a população.”

Avaliação psicológica

A formação para a realização da avaliação psicológica foi debatida entre docentes da área e a transversalidade desta área foi destaque, já que este processo está presente em diversas outras atuações da(o) Psicóloga(o). “Debatemos quais são os principais pontos que o professor de avaliação psicológica precisa considerar no ensino. É importante que o professor fale com os outros docentes, para que a avaliação psicológica perpasse todas as disciplinas. O próprio curso precisa incluir maior carga horária de avaliação psicológica”, explicou Mari Angela Calderari Oliveira (CRP-08/01374), coordenadora da Comissão de Avaliação Psicológica do CRP-PR.

“Outra questão importante é que se trabalhe a cientificidade da avaliação psicológica e a ética do uso dos instrumentos”, complementou. As Boas Práticas da Avaliação Psicológica, projeto que está trazendo textos sobre áreas importantes na Revista Contato, contará com um texto que norteará o trabalho no ensino em nível de graduação.

Psicologia Organizacional e do Trabalho

O Encontro de Profissionais e Professores de Psicologia Organizacional e do Trabalho foi uma oportunidade para o debate desta área de atuação. “O principal tema foi a identidade da(o) Psicóloga(o) Organizacional e do Trabalho, o quanto essa(e) profissional ainda tem dificuldade de entender o seu papel”, conta a Psicóloga Mariana Patitucci Bacelar (CRP-08/10022), da Comissão de Psicologia Organizacional e do Trabalho do CRP-PR em Curitiba. “Por não atuarem com testes e avaliação psicológica, por exemplo, muitas vezes a(o) profissional acredita que não é preciso ter o registro ativo”, explica.

Segundo Mariana, as ações para a construção da identidade da(o) Psicóloga(o) que atua em POT precisam ser concretas e devem acontecer desde a base, nas Instituições de Ensino Superior, mas também movimentando a categoria. “Algo muito bom que aconteceu neste encontro é que tivemos a oportunidade de estar com profissionais de outras regiões, ouvindo suas dificuldades em cidades do interior, que é uma realidade diferente daquela vivenciada na capital.”

Controle Social e Políticas Públicas

Profissionais que participam dos espaços de Controle Social e professoras(es) de Políticas Públicas se reuniram em um Fórum para debater os principais desafios desta área e as potencialidades do ensino destes conteúdos, especialmente em um contexto de retrocessos e desmontes das políticas sociais. “A Psicologia tem muito a contribuir, tanto no trabalho nas Políticas Públicas como na defesa dos posicionamentos em prol dos Direitos Humanos. Neste sentido, alinhamos algumas questões e temos a perspectiva de realizar um próximo encontro para refletir de forma mais pormenorizada sobre o ensino de Políticas Públicas nos cursos de graduação no Paraná”, contou Cesar Fernandes (CRP-08/16715), Assessor Técnico de Políticas Públicas do CRP-PR.

Enade: objetivos, desafios e distorções

A representante da Associação Brasileira de Ensino da Psicologia (ABEP), Irani Tomiatto de Oliveira, trouxe aos docentes algumas reflexões sobre o Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), realizado pelo Ministério da Educação (MEC) para avaliar a qualidade dos cursos de graduação.

Irani destacou que a avaliação dos cursos é essencial, tendo em vista a mercantilização do ensino e a queda na qualidade do ensino com a ampliação no número de cursos e a diminuição do grau de qualificação de muitas instituições. Além disso, a baixa qualidade do ensino básico é outro empecilho à formação superior. “Ensinar Psicologia em cinco anos já é uma tarefa hercúlea, mas fica mais difícil quando recebemos alunos praticamente analfabetos funcionais”, explanou.

No entanto, a dificuldade para elaborar a prova, com boas questões objetivas, e de motivar os alunos a participar com comprometimento foi tema de debate. “Temos hoje uma geração muito individualista, e para realizar o Enade é preciso pensar coletivamente”, refletiu a representante da gestão da ABEP.

Cerimônia de abertura

A cerimônia de abertura oficial do evento, que aconteceu na noite de quarta-feira (22), reservou momentos de grande emoção às(aos) presentes. Após a fala do conselheiro João Baptista Fortes de Oliveira (CRP-08/00173), Presidente do CRP-PR, que fez um apanhado histórico dos Encontros Paranaenses de Psicologia desde a sua primeira edição, em 1987, a presidente do XVI EPP e II CIPTF e Vice-Presidente do CRP-PR, Rosangela Lopes de Camargo Cardoso (CRP-08/01520), deu as boas-vindas às(aos) participantes. “Quando os humanos se encontram, podemos viver uma relação eu-isso ou uma relação eu-tu, sendo esta segunda a verdadeira e intensa vivência humana. É nesta perspectiva que venho desejar que consigamos viver o verdadeiro encontro neste encontro com a Psicologia, com a ciência, com o humano, na sua mais profunda entrega”, disse, citando filósofo Martin Buber.

A mesa ainda contou com representantes das Instituições de Ensino Superior do Paraná, da Secretária Municipal de Direitos Humanos e Relações com a Comunidade de Foz do Iguaçu, Rosa Maria Jeronymo Lima, e do Secretário Municipal de Assistência Social de Foz do Iguaçu, Elias de Sousa. Rosa destacou o avanço do município prol dos Direitos Humanos, uma vez que vivemos um momento de grandes retrocessos em diversos âmbitos.

Ainda sobre Direitos Humanos, a Conselheira-Secretária, Carolina Walger, destacou que o XVIII Plenário do CRP-PR defende bandeiras importantes para a categoria profissional, como o respeito à diversidade e à dignidade humana. “Compreendemos que a diversidade de pessoas e pensamentos favorece uma construção, e que o debate e a argumentação levam a uma melhor construção e ação das políticas de gestão.”

Carolina ainda agradeceu a todas as pessoas envolvidas na organização do evento, entre conselheiras(os), representantes setoriais e colaboradoras(es), e prestou uma homenagem ao corpo de funcionários e funcionárias da instituição. “Entendemos que que o Conselho não se faz apenas pela gestão, pelas conselheiras ou conselheiros, mas que é construído coletivamente por toda a categoria de Psicólogas e Psicólogos, pelas colaboradoras e colaboradores, mas fundamentalmente pela equipe técnico-administrativa, que faz parte do corpo funcional do CRP do Paraná. Essas trabalhadoras e trabalhadores são responsáveis pela execução de todas as nossas ações, e permitem que elas se concretizem. Por isso, hoje, nós queremos reverenciar esta equipe”, disse, antes de chamar nominalmente os funcionários e funcionárias presentes.

A arte como caminho de transformação

O CRP-PR acredita no poder transformador da arte. É por isso que a cerimônia de abertura não poderia ser completa sem as apresentações artísticas que abrilhantaram a noite.

O conselheiro Silvio Araújo Vailões (CRP-08/17829) deu início às apresentações interpretando as canções “Tudo que se quer”, de Emílio Santiago, “I dreamed a dream” (Eu tive um sonho), do musical Os Miseráveis, e Além do Arco-Íris, de Luiza Possi. Silvio foi acompanhado em alguns momentos de bailarinos do curso de Educação Física do Centro Universitário FAG. Gabriel Kenji Tutumi, Robson Andrea Correia, Andressa Brito dos Santos e Matheus dos Santos apresentaram coreografias de dança contemporânea e de salão e interpretaram a emoção contida nas canções.


Depois foi a vez do Psicólogo Everton Adriano de Moraes (CRP-08/19778), compositor do  Rap Mais Psicologia, cantar e levantar o público ao som de “Eu quero mais Psicologia, eu quero mais saúde pro meu dia a dia”. Everton foi acompanhado de um corpo de bailarinos de jazz e hip hop Casa do Teatro e Siox, que também tiveram um momento para demonstrar o talento no estilo livre

.

Rolar para cima