Mais Psicologia, mais educação: campanha do CRP-PR demanda inclusão de Psicólogas(os) nas escolas

Evento na Universidade Positivo reuniu no último sábado (20) profissionais e estudantes para debater a violência nas escolas

A Comissão de Psicologia Escolar e da Educação do Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) está desenvolvendo uma série de ações para promover a presença de mais Psicólogas(os) nas escolas paranaenses, públicas e particulares. De acordo com o coordenador da Comissão e conselheiro Nelson Fernandes Junior (CRP-08/07298), a estratégia adotada é sensibilizar pais, professoras(es) e alunas(os) para a importância desta(e) profissional no ambiente educacional. “Já tivemos experiências buscando pelo poder público, por projetos de lei, mas percebemos que a população precisa estar consciente da importância da Psicologia Escolar e da Educação para que possa reivindicar este serviço”, explica.

 

Para atingir este objetivo, a Comissão redigiu um manifesto intitulado “Quem está faltando na escola? A(O) Psicóloga(o) Escolar!”, que está disponível no site do CRP-PR e destaca as contribuições que a(o) Psicóloga(o) Escolar/Educacional pode trazer. Segundo o texto, esta(e) profissional pode “compreender e desenvolver atividades específicas que possibilitem um entrosamento melhor entre aqueles que estão implicados com o processo educacional: pais, alunos, professores, equipe técnica e direção, por meio da perspectiva da educação para todas(os) e de uma sociedade democrática”, concluindo que a Psicologia é de fundamental importância para uma educação de qualidade e não medicalizada.

II Encontro Paranaense de Psicologia na Educação

No último sábado (20), aconteceu em Curitiba o II Encontro Paranaense de Psicologia na Educação, que reuniu diversas(os) profissionais em torno da temática “violência nas escolas”. O evento foi promovido pela Comissão composta pelas Psicólogas Irene Carmem Piconi Prestes (CRP-08/01877), Maísa Pereira Pannuti (CRP-08/04122), Queila Abigail Luz Trojak (CRP-08/20764), Neyre Correia da Silva (CRP-08/03496) e Suellen Vilalva (CRP-08/21257). Na ocasião, além da leitura oficial do manifesto intitulado “Quem está faltando na escola? A(O) Psicóloga(o) Escolar!”, autoridades e representantes de diversos projetos compartilharam experiências bem-sucedidas no combate aos casos de violência.

A Juíza Glaucia Foley falou sobre o projeto Vozes da Paz, que envolve toda a comunidade em torno da mediação de conflitos e dificuldades, formando círculos de conversa e usando técnicas da comunicação não violenta. Eles também criam projetos para resolver dificuldades. Outros projetos que também visam a uma comunidade mais harmônica e pacífica são o Conviver, iniciativa da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e o Assembleia de Classe, da Escola Marista Anjo da Guarda – no qual as crianças resolvem em assembleia dificuldades e também estabelecem regras conjuntas.

“O evento foi excelente e muito proveitoso. Pudemos trocar experiências e fortalecer o trabalho de diferentes profissionais que atuam direta ou indiretamente com crianças e jovens nas escolas, contribuindo para uma educação de maior qualidade, com inclusão e respeito”, avaliou Neson Fernandes Junior. “Tivemos também a oportunidade de reunir em uma mesa profissionais da Psicologia, Pedagogia e Assistência Social, que por lei devem atuar de forma multidisciplinar nas escolas. Este momento foi importante para promover a coesão entre estas áreas.”

Secretaria de Educação do Estado do Paraná

A Comissão de Psicologia Escolar e da Educação do CRP-PR se aproximou da Secretaria de Educação do Estado (Seed-PR) para ampliar o debate sobre a necessidade de Psicólogas(os) no contexto escolar. A reunião aconteceu no dia 9 de outubro e contou com a presença das Psicólogas colaboradoras da Comissão, da chefe de Departamento de Educação e Trabalho, Cândida de Carvalho Junqueira, e da responsável técnica-pedagógica Iara Regina Soares Azevedo.

O encontro surgiu de uma demanda da Seed-PR, que percebeu a importância da atuação da Psicologia em determinados casos que influenciam na convivência da comunidade escolar e que refletem no processo de ensino-aprendizagem. Além desta reunião inicial, o CRP-PR fornecerá orientação e respaldo para esse tipo de trabalho a partir de encontros que possam identificar as demandas e as possibilidades de encaminhamentos.

Para que as(os) alunas(os) de cursos profissionalizantes do Estado tenham acesso a atendimentos psicológicos individuais, o CRP-PR enviou uma lista atualizada com Instituições de Ensino Superior que oferecem Serviços-Escola, clínica em que alunos dos últimos períodos fazem atendimentos supervisionados a preços reduzidos. A Seed também se comprometeu a integrar estudantes de Psicologia em estágios nos projetos de ensino profissionalizante, para que se abram mais oportunidades de atuação e aprendizado às(aos) alunas(os) de Psicologia.

Rolar para cima