Notícia

Fábio Mesquita vem ao CRP-PR para palestra sobre Redução de Danos

Na noite desta segunda-feira (27), o Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) recebe o médico Dr. Fábio Caldas Mesquita para uma palestra sobre Redução de Danos. Mesquita foi um dos pioneiros na implementação desta política de drogas, ainda no final da década de 1980, quando era coordenador municipal de DST e AIDS em Santos/SP. Na palestra desta noite, que faz parte da semana PREVIDA, o médico traz um breve apanhado histórico das políticas voltadas às drogas na perspectiva da Redução de Danos. Atualmente, segundo ele, estamos vivendo um momento de impasse político, o que torna muito difícil fazer uma previsão sobre os rumos que serão tomados. “Percebe-se que há uma tendência ao desmonte e à privatização da rede SUS com o cenário político atual. Uma onda conservadora traz indicadores que dificultam o trabalho no sentido de garantir equidade às populações que possuem menos”, disse ele, que recentemente pediu demissão do cargo de diretor do Departamento de DST, AIDS e hepatites virais do Ministério da Saúde. Mesquita está atuando na área acadêmica com pesquisas e participações em eventos como o desta noite para estabelecer o debate necessário sobre Redução de Danos fora do ambiente do governo. “Espero que este grupo que governa interinamente saia e que a população possa eleger uma plataforma de ideias democrática e legítima para o futuro”, concluiu.

Evento contou também com uma fala do Diretor do Departamento de Políticas sobre Drogas de Curitiba, Marcelo Kimati (à direita)

Redução de Danos

Redução de Danos é um conjunto de políticas e práticas cujo objetivo é reduzir os danos associados ao uso de drogas psicoativas em pessoas que não podem ou não querem parar de usá-las. O objetivo, então, não é unicamente a abstinência total, já que nem todas as pessoas conseguirão atingir este patamar. Assim, o que se busca é melhorar a qualidade de vida do usuário de drogas, minimizando as chances de contaminação por doenças contagiosas e trocando o uso de drogas mais pesadas, como crack e heroína, por outras mais leves, como maconha.

Rolar para cima