Notícia

O que é ser professora ou professor e como a Psicologia pode contribuir?

Texto da Psicóloga Nájila Cristina Camargo (CRP-08/23576)

O dia 15 de outubro foi instituído no Brasil como Dia das(os) Professoras(es), sendo comum nessa data depararmo-nos com mensagens e homenagens. Mas, em um cenário social que tem subvalorizado o processo educativo, o que há para ser comemorado?

Além dos cortes, tem sido frequente a aparição de relatos de profissionais descontentes com o próprio fazer e que adoecem no ambiente escolar/universitário. Assim, para valorizar esta categoria profissional faz-se necessário compreender que ser professora ou professor é mais do que uma vocação ou um ato de amor: é um compromisso ético que demanda conhecimento técnico e condições dignas de formação profissional e trabalho. Ser professora ou professor é ter disponibilidade para a reinvenção e o encontro com o(a) outro(a). É saber se inserir em um contexto repleto de paradoxos, tendo em vista a exigência pela qualidade educacional, metas e números e ao mesmo tempo as diversas e singulares formas de aprender e a precarização do ensino. É estar implicada(a) com a formação humana e científica, produzindo por meio do próprio trabalho significações sobre, a partir e com o mundo a fim de possibilitar a reflexão e ação social.

 

Neste contexto, a Psicologia pode se inserir, em nível macropolítico, na busca pela garantia do direito à educação por meio de políticas públicas que evidenciem as instituições de ensino como espaços potentes para a humanização e transformação e, para tanto, o reconhecimento da prática profissional docente como um pilar. Em nível micro, a Psicologia dentro das instituições de ensino pode contribuir com práticas de inclusão social, desnaturalização de saberes, ações interdisciplinares, construção de estratégias para acompanhamento das(os) alunas(as) e contribuição com a formação docente (des)simplificando o ato de ensinar e aprender, o que significa considerar o contexto escolar e a subjetividade dos sujeitos envolvidos no processo (professoras(es), famílias, alunas(os)).

Ainda há motivos para comemorar a insistência-resistência das(as) professoras(es), assim como a viabilidade de parcerias entre profissionais de Psicologia e docentes. Para exemplificar isso, seguem algumas narrativas construídas a partir de duas perguntas:

O que é ser professora ou professor para você?

Como a Psicologia pode contribuir com a sua prática profissional?

Ser professora ou professor vai muito além de transmitir conhecimento. É auxiliar a se encontrar, formular suas próprias respostas e visão do mundo, a partir do que é estudado e vivenciado. É vontade de desistir, mas também se sentir a pessoa mais importante. A Psicologia auxilia na tomada de decisões, leitura do próximo, resolução de problemas, pois somos seres com personalidades, histórias de vida e culturas diferentes. É auxiliar a compreender e ser compreendido.

(Docente da Área de Natureza)

Ser professora ou professor é assumir um compromisso diante do mundo, é criar possibilidades de transformação. Exige amor, dedicação e, ao mesmo tempo, firmeza. É se reinventar todos os dias e, principalmente, acreditar. Acreditar que por meio da educação é possível transformar realidades. A presença da(o) profissional de Psicologia no ambiente escolar vem potencializar a prática educativa, uma vez que possibilita a qualificação do atendimento prestado às(aos) estudantes e suas famílias. A Psicologia possibilita reflexões acerca do ser humano em sua complexidade de sentimentos e relações e isso certamente subsidia intervenções muito mais assertivas.

(Coordenadora Pedagógica)

Ser professora ou professor é ter um olhar especial para o outro e não "apenas" mediar conhecimento. É a busca diária para compreender, promover condições de refletir e agir na sociedade de forma igualitária. Buscar agir e promover a equidade, mesmo que seja difícil ou quase impossível. É não desanimar nem perder a esperança jamais. A Psicologia me mostra caminhos de como agir dentro e fora de sala de aula, visto que precisamos compreender os educandos como pessoas únicas, cada qual com suas especificidades, seja social, emocional ou cognitiva, ou seja, de forma global e não apenas como depósitos de conteúdos. A Psicologia nos propicia compreender algumas ações, investigar outras... Enfim, é fundamental tanto para o desenvolvimento do educando quanto para o desenvolvimento e ações dos professores.

(Docente de Educação Básica)

Você também tem uma experiência que gostaria de relatar sobre a atuação da Psicologia em parceria com professoras(es)? Acesse as nossas redes sociais no Facebook (/crppr) ou Instagram (@crppr) e conte para a gente!

Rolar para cima