CRP-PR inicia pesquisa para investigar funcionamento da RAPS e Psicólogas(os) podem participar

Conhecer a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) no Estado do Paraná, os desafios para a implantação da Reforma Psiquiátrica e as experiências bem-sucedidas nos diferentes municípios. Estes são os objetivos de uma pesquisa que está sendo realizada pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) desde o início de outubro. “A ideia é saber como os serviços propostos pela legislação estão sendo ofertados para a população e entender qual tem sido o papel da(o) profissional da Psicologia neste espaço”, afirma Carolina de Souza Walger (CRP-08/11381), conselheira-secretária do CRP-PR.

O pesquisador responsável, Psicólogo Altieres Edemar Frei (CRP-08/20211), explica que a metodologia adotada é a cartografia, que permite flexibilidade à investigação: “Nós não temos um roteiro definido previamente. Assim, vamos identificando pistas que nos indicam o melhor caminho a seguir. Estas pistas podem surgir de conversas com profissionais ou usuários, por exemplo”.

O planejamento inicial de Altieres é visitar cerca de 40 municípios paranaenses até abril de 2019, mas a escolha dos territórios será, em parte, embasada em uma pesquisa com as(os) próprias(os) profissionais. Psicólogas(os) que atuam em um equipamento da RAPS podem responder ao questionário disponível abaixo e indicar elementos que auxiliarão na pesquisa. A identificação é opcional, sendo que apenas o município deve ser obrigatoriamente citado para que o pesquisador possa considerar as especificidades do território em questão.