Notícia

COVID-19: orientações sobre atendimentos psicológicos em diferentes contextos

Estamos vivendo um momento ímpar em sociedade devido à pandemia do COVID-19 – o novo coronavírus. Diante desse cenário, percebemos a responsabilidade compartilhada em evitar a proliferação do vírus e minimizar o contágio para que o Sistema Único de Saúde (SUS) suporte os atendimentos necessários. Mais do que uma precaução individual, as medidas de isolamento e restrição de contato são de suma importância no âmbito da saúde pública.

 

Este cenário provoca uma série de implicações emocionais e sociais. Os riscos envolvidos, a necessidade de mobilização para o enfrentamento da pandemia, a emergência de medidas de prevenção e a perspectiva de dias difíceis pela frente fazem do momento um período delicado, que exige responsabilidade, cautela e colaboração. A situação atinge de forma ainda mais incisiva os grupos vulnerabilizados, que demandam maior atenção e medidas concretas de proteção.

 

Neste contexto, o Sistema Conselhos de Psicologia tem dedicado intensa atenção à situação de crise que vivemos, procurando atender às inúmeras demandas da categoria e reunir as melhores referências para orientação a uma profissão tão multifacetada, presente em contextos tão diversos.

 

Atendimentos eletivos

O que se orienta até o momento – tendo em vista que é característica da situação a constante mudança de cenários – é que as Psicólogas e Psicólogos priorizem ao máximo os atendimentos na modalidade online, resguardando as condições de sigilo, privacidade e segurança das informações. Desta forma, busca-se suspender os atendimentos presenciais em casos eletivos, uma vez que a mobilidade de profissionais e pacientes/clientes pode ser um vetor de propagação do vírus. Para atender na modalidade online basta fazer o cadastro na plataforma E-Psi. O Conselho Federal de Psicologia (CFP) autorizou, em caráter temporário, nos meses de março e abril, que profissionais cadastradas(os) atendam online mesmo que os cadastros ainda não tenham sido analisados e aprovados pelos Conselhos Regionais.

 

Urgência e emergência

Casos em que a modalidade online não for indicada, seja pelos limites da Resolução CFP nº 11/2018 ou pela avaliação técnica da(o) profissional, recomenda-se o adiamento dos atendimentos sempre que for possível.

 

Nessas situações, recomenda-se manter canais de comunicação, como telefone ou endereço de e-mail, a fim de oferecer uma referência para que pacientes e clientes entrem em contato em caso de dúvidas.

 

Na impossibilidade do atendimento presencial ou adiamento, a Nota Técnica CRP-PR nº 001/2020 indica que “a(o) Psicóloga(o) deve compartilhar esta responsabilidade e encaminhar, assim que possível, para profissional ou equipes presenciais, comunicando o contato de referência da pessoa atendida. Recomenda-se que, no caso de necessidade de atendimento online a situações de urgência e emergência, a(o) Psicóloga(o) busque articular junto com a(o) usuária(o) do serviço uma rede de apoio que poderá ser contactada pela(o) Psicóloga(o) quando necessário”. 

 

Atendimentos presenciais

Entende-se que existem situações em que não seja possível o atendimento online ou a interrupção dos atendimentos presenciais – tais como casos emergenciais, quadros agudos ou graves cuja interrupção significa um risco à integridade da pessoa, ou contextos de violência e violações de direitos, sempre de acordo com a avaliação da(o) profissional.

 

Nestes casos, quando não for possível o atendimento na modalidade online, orienta-se que se cumpram as recomendações das autoridades sanitárias sobre os cuidados: realizar higiene frequente e garantir condições de ventilação, evitar o contato físico e manter uma distância segura de 1 metro, suspender atendimentos coletivos para evitar o contato entre pacientes/clientes,  dar recomendações específicas para grupos de risco, solicitar às(aos) gestoras(es) e empregadores(as) (do setor público ou iniciativa privada) que providenciem as adequações necessárias para cumprimento destas medidas. 

 

É importante que a(o) profissional considere também suas condições pessoais. Caso se encontre entre os grupos de risco, considere a possibilidade de encaminhar os atendimentos presenciais para outras(os) profissionais.

 

Ainda, no que concerne aos atendimentos na área da Saúde, em que os esforços de atendimento podem ser extenuantes às(aos) profissionais neste período de crise, recomenda-se que se estabeleçam planos de suporte às equipes, com medidas como a rotatividade de quadros.

 

Também vale lembrar a modalidade de atendimento domiciliar, que pode se configurar como estratégia a ser utilizada dependendo da análise específica de cada caso e avaliação das(os) profissionais e demais sujeitos envolvidos. Importante enfatizar que a(o) profissional deve se pautar em sua autonomia e responsabilidade para optar por esta modalidade de atendimento e observar todas as orientações e medidas decretadas pelas autoridades governamentais e sanitárias. O CRP-PR também dispõe de orientações sobre atendimento domiciliar no Guia de Orientação.

 

Outras informações

Além disso, há de se observar as determinações regionais e municipais. O Sistema Conselhos de Psicologia, por sua natureza autárquica e limitações legais, não tem prerrogativa de determinar o funcionamento de instituições públicas e privadas. Desta forma, o que se está buscando é a sensibilização de gestores(as) de políticas públicas, empregadoras(es) e planos de saúde para que desenvolvam estratégias condizentes com o momento de crise que enfrentamos, zelando pela integridade das(os) profissionais e das pessoas que necessitam de atendimento.

 

Por fim, considerando o acúmulo científico e o compromisso social da Psicologia, é de grande relevância a contribuição de Psicólogas e Psicólogos na produção de conteúdo, orientações que auxiliem a população em geral a passar por esse momento difícil e de sofrimento. Nesse sentido, todas(os) as(os) profissionais Psicólogas(os) podem se sentir à vontade para enviar suas contribuições para crp08@crppr.org.br. Sempre que oportuno divulgaremos tais colaborações  em nossas redes sociais: Facebook (/crppr), Instagram (@crp_pr) e Twitter (@crp_pr).

 

Leia também: COVID-19: CRP-PR suspende atendimento presencial nas Sedes e eventos

Rolar para cima