Notícia

Por uma Psicologia antirracista, CRP-PR lança edição especial da Contato e promove teatro

O mês de novembro é um tempo para refletir sobre as questões étnico-raciais em nossa sociedade, tendo em vista o Dia da Consciência Negra (20). O Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR), atento à urgência de combatermos o racismo, mais que isso, promovermos uma Psicologia antirracista, elaborou uma edição especial da Revista Contato, com reportagens e artigos que olham para a questão sob diversos prismas e propõem reflexões e ações para a categoria de Psicólogas(os).

 

 

Enquanto a reportagem de capa busca contextualizar o racismo na sociedade e, principalmente, na Psicologia, os artigos fazem uma incursão em subtemas como o lugar da mulher negra na sociedade e o olhar que vê toxicidade nos homens negros. Além disso, a resenha da edição é sobre uma premiada série fundamental para falar de racismo: “Olhos de Condenam”, a qual conta a história de cinco jovens negros acusados injustamente de um crime.

Negro, Não Nego

Além disso, no último dia 06 de dezembro, a companhia Cena Hum apresentou em Curitiba uma sessão especial da peça “Negro, Não Nego”, que foi seguida de uma roda de conversa com Psicólogas(os) e demais pessoas interessadas.

 

A conselheira Natália Cesar de Brito (CRP-08/17325) participou destes momentos e avalia que “a roda de conversa realizada após a peça foi tão visceral quanto a apresentação. Todas as pessoas, negras e não negras, trouxeram suas experiências e vivências de maneira muito aberta e sincera”. Além disso, a Psicóloga considera que estes espaços de diálogo e troca de experiências sobre o racismo são fundamentais para que este problema seja combatido.

 

A conselheira presidenta Célia Mazza de Souza (CRP-08/02052) também destacou a profundidade das reflexões provocadas na peça e na roda de conversa. “Negro, não nego! Espetáculo comovente e provocante… Dizer isto é muito pouco! É desafiante e pode ser assustadoramente dolorosa a percepção e tomada de consciência do nosso racismo! Precisamos assumir e desconstruir o racismo nosso de cada dia! Por uma sociedade mais justa e igualitária, cada um precisa olhar mais profundamente no espelho e ousar mudar para melhor!”

Roda de Conversa após apresentação da peça para reflexões e trocas de experiências
Público que assistiu à peça era de Psicólogas(os) e outras(os) profissionais
A peça Negro, Não Nego promove reflexões sobre o racismo
Rolar para cima