Notícia

Comissão de Mobilidade Humana e Trânsito publica nota sobre a Avaliação Psicológica no Trânsito

 

A Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e todos seus processos mentais. O trabalho, que possui diversas abordagens, pode ser feito tanto de forma preventiva – na manutenção dos sentimento, emoções e comportamentos – como para amenizar determinados sintomas e, em conjunto com tratamento na área de Saúde Mental, diminuir sintomas em transtornos psiquiátricos.

Uma das ferramentas utilizadas neste trabalho é a Avaliação Psicológica, definida como um processo técnico-científico para coletar dados e interpretar informações a respeito de fenômenos psicológicos. As questões estudadas pela Psicologia estão relacionadas à personalidade, aprendizagem, motivação, memória, inteligência, funcionamento do sistema nervoso, comunicação interpessoal, desenvolvimento, comportamento sexual, agressividade e comportamento em grupo, funcionamento cerebral, dentre outros. A Avaliação Psicológica consiste em um amplo espectro de procedimentos que integram diferentes informações como entrevistas, observações e aplicação de testes e escalas, sendo a(o) Psicóloga(o) a(o) única(o) profissional habilitada(o) por lei para exercer esta função. Atualmente, a avaliação está sendo utilizada em diferentes contextos como, por exemplo, para obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), porte de armas, realização de cirurgia bariátrica e processo transexualizador.

 

 

O ato de dirigir requer habilidades, atitudes, maturidade emocional e capacidade intelectual que permita ao condutor interpretar estímulos e reagir de forma estratégica no trânsito. A Avaliação Psicológica no Trânsito, portanto, tem o intuito de diminuir os causadores de acidentes. 

No tocante à questão da obtenção da habilitação para dirigir, cabe-nos reforçar que o ato de dirigir requer habilidades, atitudes, maturidade emocional e capacidade intelectual que permita ao condutor interpretar estímulos e reagir de forma estratégica no trânsito. O candidato à obtenção da CNH deve ter bom nível de atenção, pois a falta dela é uma das maiores causadoras de acidente; raciocínio lógico, pois, conforme mencionado, é preciso reagir de forma estratégica a possíveis situações de risco; memória, uma vez é necessário ter em mente as leis de trânsito. Além disso, a avaliação leva em conta aspectos de personalidade como a agressividade, impulsividade, relacionamento interpessoal e com autoridades, ansiedade, depressão, psicopatias e demências.

A Avaliação Psicológica no Trânsito, portanto, tem o intuito de diminuir os causadores de acidentes. Entendendo-se que o trânsito é basicamente comportamento humano – um dos estudos da ciência psicológica – a atuação de Psicólogas(os) é de extrema necessidade neste contexto. Nenhuma outra avaliação substitui a psicológica e, neste sentido, repudiamos qualquer ação contrária a isso.


O CRP-PR tem diversas Comissões Especiais e uma delas é a Comissão de Mobilidade Humana e Trânsito, que tem trabalhado com esta questão da avaliação para o contexto de trânsito, bem como em outras situações que envolvam comportamentos e mobilidade urbana.

Trabalhamos em conjunto com outras Comissões, como a de Diretos Humanos, Saúde e Avaliação Psicológica. Convidamos a todas(os) que venham conhecer e participar conosco para contribuir para uma Psicologia melhor.

Rolar para cima