Notícia

Cerca de 500 pessoas se manifestaram contra o retrocesso na saúde mental

O centro de Curitiba foi palco de uma grande manifestação contra a nomeação do médico psiquiatra Valencius Wurch para o cargo de Coordenador Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas. Cerca de 500 pessoas, entre trabalhadoras(es), usuárias(os) e familiares marcharam pelas ruas com faixas e cartazes que pediam pela manutenção dos direitos conquistados pela lei nº 10.216/2001, que instituiu a Reforma Psiquiátrica.

Entenda o caso

O médico Valencius Wurch foi nomeado esta semana pelo Ministro da Saúde para o cargo de Coordenador Nacional de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas, após a saída de Roberto Tykanori Kinoshita. Valencius foi diretor do maior manicômio privado na América Latina (a Casa de Saúde Dr. Eiras, em Paracambi, Rio de Janeiro) e ferrenho opositor da Reforma Psiquiátrica, aprovada em 2001. A Reforma representou a conquista de inúmeros direitos para as pessoas com transtornos mentais, que deixaram de ser submetidas a tratamentos desumanos nos manicômios e passaram a contar uma extensa rede de atenção psicossocial, cujo objetivo é estimular a participação social e o tratamento humanizado, retirando o foco dos manicômios. Assim, entende-se que a posse no novo coordenador representará um retrocesso na conquista desses direitos. 

Imagens: Vinícius Torresan

Rolar para cima