Revista Contato

Revista Contato fala sobre prevenção do suicídio e outros destaques

O mês de setembro foi marcado por vários debates acerca do fenômeno do suicídio. Em especial por todo contexto de sofrimento que estamos vivendo em relação à pandemia da Covid-19, o debate aprofundado sobre saúde mental ganha uma relevância ainda maior em sociedade.


Por isso, o CRP-PR reuniu acúmulos durante todo o mês para contribuir com as reflexões de Psicólogas e Psicólogos sobre os diversos atravessamentos do tema em nossa prática profissional. Afinal, este é um diálogo que deve ser expandido para todos os meses do ano.


Sendo assim, a Edição Setembro/Outubro da Revista Contato traz como matéria de capa “As várias mortes da pandemia”, a fim de evidenciar como os contextos sociais influenciam nas experiências do sofrimento, nas perdas e lutos que vimos enfrentando. Também sobre o tema, outros artigos nos ajudam a compreender a importância de se considerar a interseccionalidade ao pensarmos no suicídio, e em aspectos éticos e técnicos do atendimento psicológico a pessoas que apresentem ideação suicida.


A revista conta ainda com outros temas interessantes, como a gameficação na clínica com adolescentes, debates decorrentes do Dia Mundial da Saúde Sexual, resenha sobre os efeitos do consumo em nosso cotidiano e muito mais.

Que Psi você quer?

Essa é a edição da Revista Contato que abrange o mês de agosto, quando se comemora o Dia das Psicólogas e Psicólogos – assim mesmo, no plural. Afinal, a pluralidade é uma característica marcante da nossa profissão, tanto no perfil das(os) profissionais quanto nas áreas de atuação.

 

E que momento para chegar o “nosso” mês, não? Quem imaginava, aos primeiros sinais da pandemia, que seus efeitos se prolongariam por tanto tempo, impactando tanto nossas ações?

 

Historicamente, aproveitamos esta data para dialogar com a sociedade sobre a importância da nossa profissão, reafirmar o compromisso com a promoção de saúde e desmistificar tabus que ainda cercam nossa prática. Muito já conseguimos avançar e muito ainda há para se construir.

 

Mas como conversarmos com a sociedade nesse momento tão delicado? Como oferecermos afirmações em um período de tantas dúvidas? Como avançarmos na construção de uma Psicologia efetivamente acessível, comprometida à promoção de humanidades libertas? Como a própria Psicologia nos ensina, é tempo de analisarmos as variáveis e, juntas(os), construirmos novos possíveis.

 

No que se refere à atuação do Conselho, seguimos em revisão constante, a fim de orientar e acolher as(os) profissionais frente aos novos desafios, com os recursos e limitações que o cenário nos oferece.

 

Esperamos que essa revista, escrita com tanto carinho e a tantas mãos, possa encontrar a todas(os) com afeto, saúde, e possa contribuir para refor­çar o nosso sentido de coletividade.

Revista Contato mai/jun traz reflexões sobre a Rede de Atenção Psicossocial, saúde mental da(o) trabalhador(a) e outros destaques

Editoral

 

Olá, Psicólogas(os) do Paraná e todas(os) que nos leem.

 

Maio é um mês muito importante para a Psicologia e para a sociedade, um mês que nos convida a importantes reflexões.

 

Já no primeiro dia do mês celebra-se o dia da trabalhadora e do trabalhador. Por isso, esta edição conta com uma entrevista com a Psicóloga Maria Ester Falaschi (CRP-08/06606) sobre saúde mental no trabalho. Ainda sobre o tema, a Coluna da Ética aborda a atuação ética na área de Recursos Humanos.

 

No dia 18 de maio destaca-se a Luta Antimanicomial. Por isso, a nossa matéria de capa se refere à Saúde Mental e Políticas Públicas, com importantes debates sobre mercantilização da saúde, o aspecto moral imputado à loucura e todo sofrimento incutido neste cenário. Em outra coluna, o Psicólogo César Rosário Fernandes (CRP-08/16715) traz o posicionamento do CRP-PR em relação à política sobre drogas, discussão profundamente interligada às questões de saúde mental. E, dando sequência às publicações da Cartografia da RAPS, o Psicólogo Altieres Edemar Frei (CRP-08/20211) nos instiga a refletir sobre cenários relacionados ao trabalho dos CAPS em Curitiba.

 

Ainda, é um mês marcado por reflexões relativas ao trânsito e à mobilidade humana – maio amarelo. Nesse sentido, divulgamos a premiada iniciativa do Psicólogo Cassiano Ferreira Novo (CRP-08/08266), que reflete a necessidade do comprometimento da gestão pública para que o tráfego nas cidades seja mais inteligente e seguro. Esta edição também traz, na coluna da Comissão Étnico-Racial, relevante análise sobre branquitude, conceito que nos convida a revisitar o debate referente ao racismo para se combater a segregação. E muitos outros conteúdos instigantes preparados especialmente para vocês.

 


Que esta revista proporcione profícuos diálogos!

Revista Contato jan/fev aborda importância dos Conselhos, os riscos do EaD e outros destaques

Editorial

Olá, Psicólogas e Psicólogos.

 

Esta revista chega em um momento em que é necessário defender os Conselhos Profissionais e, mais do que isso, a regulamentação profissional em benefício da sociedade. Na atual conjuntura, defender o Sistema Conselhos de Psicologia é defender a possibilidade de articulação de espaços coletivos, de construção colaborativa de nosso fazer profissional pautada em nosso compromisso social.

 

Além desta temática, a edição 127 (segunda elaborada durante o exercício do XIV Plenário no CRP-PR) vai consolidando a característica da Revista Contato nesta gestão: um espaço de debates assertivos, com posicionamentos bem fundamentados, sobre temas que são sensíveis, necessários e atuais. Neste sentido, abordamos um assunto bastante caro à formação em Psicologia: o preocupante avanço das tentativas de ampliação da carga horária de Ensino a Distância nos cursos de graduação. O CRP-PR integra e apoia o posicionamento das principais instituições competentes na área, como a Associação Brasileira de Ensino em Psicologia (ABEP), Conselho Federal de Psicologia (CFP) e Federação Nacional dos Psicólogos (FENAPSI): Psicologia se aprende com presença!

 

Ainda, seguimos tentando tornar a revista mais participativa, aberta à colaboração da categoria. Um movimento nesta direção é a forma de recebimento das manifestações artísticas de Psicólogas e Psicólogos para a contracapa. A partir desta edição, convidamos todas(os) as(os) interessadas(os) a enviarem suas produções e buscaremos contemplá-las da melhor forma possível. Esperamos contar com as contribuições de vocês para encontrarmos outras formas de diálogo para que esse canal de comunicação seja cada vez mais profícuo.

 

Boa leitura!

Por uma Psicologia antirracista, CRP-PR lança edição especial da Contato e promove teatro

O mês de novembro é um tempo para refletir sobre as questões étnico-raciais em nossa sociedade, tendo em vista o Dia da Consciência Negra (20). O Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR), atento à urgência de combatermos o racismo, mais que isso, promovermos uma Psicologia antirracista, elaborou uma edição especial da Revista Contato, com reportagens e artigos que olham para a questão sob diversos prismas e propõem reflexões e ações para a categoria de Psicólogas(os).

 

 

Enquanto a reportagem de capa busca contextualizar o racismo na sociedade e, principalmente, na Psicologia, os artigos fazem uma incursão em subtemas como o lugar da mulher negra na sociedade e o olhar que vê toxicidade nos homens negros. Além disso, a resenha da edição é sobre uma premiada série fundamental para falar de racismo: “Olhos de Condenam”, a qual conta a história de cinco jovens negros acusados injustamente de um crime.

Negro, Não Nego

Além disso, no último dia 06 de dezembro, a companhia Cena Hum apresentou em Curitiba uma sessão especial da peça “Negro, Não Nego”, que foi seguida de uma roda de conversa com Psicólogas(os) e demais pessoas interessadas.

 

A conselheira Natália Cesar de Brito (CRP-08/17325) participou destes momentos e avalia que “a roda de conversa realizada após a peça foi tão visceral quanto a apresentação. Todas as pessoas, negras e não negras, trouxeram suas experiências e vivências de maneira muito aberta e sincera”. Além disso, a Psicóloga considera que estes espaços de diálogo e troca de experiências sobre o racismo são fundamentais para que este problema seja combatido.

 

A conselheira presidenta Célia Mazza de Souza (CRP-08/02052) também destacou a profundidade das reflexões provocadas na peça e na roda de conversa. “Negro, não nego! Espetáculo comovente e provocante… Dizer isto é muito pouco! É desafiante e pode ser assustadoramente dolorosa a percepção e tomada de consciência do nosso racismo! Precisamos assumir e desconstruir o racismo nosso de cada dia! Por uma sociedade mais justa e igualitária, cada um precisa olhar mais profundamente no espelho e ousar mudar para melhor!”

Roda de Conversa após apresentação da peça para reflexões e trocas de experiências
Público que assistiu à peça era de Psicólogas(os) e outras(os) profissionais
A peça Negro, Não Nego promove reflexões sobre o racismo

Revista Contato | 3 anos de força e inovação na Psicologia

Muita coisa mudou no Brasil e no mundo nos últimos três anos. Aqui no Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) não foi diferente. Em 2016 a gestão Força e Inovação assumiu para um triênio de muitas ações em prol da Psicologia. E o resultado – ou alguns deles – você acompanha nas próximas páginas.

 

Nós investimos em um bom planejamento para que as ações fossem assertivas e efetivas. E este planejamento – bem como todas as demais ações – foi democrático, participativo, trouxe cada Psicóloga(o) para mais perto do CRP.


O CRP-PR também esteve próximo das(os) estudantes. Preocupados com uma formação ética e inclusiva, levamos o Conselho para dentro das Instituições de Ensino Superior, com palestras, visitas, campanhas. Por outro lado, a Comissão de Estudantes proporcionou às(aos) Psicólogas(os) em formação um primeiro – e importante – contato com o CRP-PR.


Esta e outras Comissões Especiais (Temáticas) levantaram discussões importantes, promoveram eventos, representaram o CRP-PR e foram a voz da Psicologia em diversas instâncias. A luta pela garantia de direitos, pelas políticas públicas e a articulação política em prol da Psicologia e da sociedade levaram o Paraná a ser destaque no controle social. As Comissões de Ética e de Orientação e Fiscalização trabalharam para promover uma Psicologia com cada vez mais qualidade. O setor administrativo inovou para levar à categoria e à sociedade um bom atendimento e manter o processo de prestação de contas ágil e transparente. A Comunicação trabalhou para dar visibilidade à Psicologia. Funcionárias(os), colaboradoras(es), conselheiras(os): cada pessoa contribuiu para este resultado.


Venha reviver esta trajetória com a gente. Boa leitura!

Revista Contato lança campanha “A Psicologia da Gente” e traz outros destaques

O que a preparação de viagens espaciais, o desenvolvimento de assistentes virtuais, o estudo dos hábitos de consumo e a compreensão da sexualidade humana têm em comum? A Psicologia. A matéria de capa desta edição faz um apanhado de possibilidades de atuação para mostrar que a Psicologia muda as pessoas, e as pessoas mudam o mundo. O texto faz parte da campanha “A Psicologia da Gente”, que marca o Dia da(o) Psicóloga(o) 2019.

Fazemos também um convite: que tal repensarmos nossas certezas? Uma pesquisa do Instituto Ipsos procurou saber como está a nossa percepção de realidade diante de temas como migrações, violência e aquecimento global. O resultado indicou que muitas vezes sabemos muito pouco e vemos o mundo sob lentes distorcidas.

A realidade parece muito incerta também quando o assunto é previdência. Uma reforma está para vir, mas com o vai e vem do jogo político é difícil prever quais exatamente serão as mudanças. Mas, para pensar nos impactos das transformações que vão acontecer – ou já estão acontecendo –, conversamos com três Psicólogas e descobrimos como a Psicologia pode nos ajudar a repensar o mundo do trabalho.

A edição traz ainda informações da Comissão de Orientação e Fiscalização e da Comissão de Ética, além de uma importante reflexão sobre a população indígena e seus desafios. O CRP-PR esteve, pela primeira vez, no Acampamento Terra Livre, o maior fórum de discussão sobre direitos sociais e políticas públicas dos povos indígenas no Brasil, e a partir desta experiência faz uma retomada sobre as principais demandas destes povos, como demarcação de terras e atenção em saúde com um olhar voltado às especificidades étnicas.

Boa leitura!

Revista Contato: edição maio/junho aborda a luta antimanicomial no Brasil e no mundo

Vivemos tempos de retrocessos. Os direitos conquistados ao longo de décadas estão sendo colocados em xeque por lideranças políticas e por alguns grupos profissionais, trazendo novamente as sombras de um tempo em que a dignidade humana não era prioridade nas políticas de saúde mental e drogas.

 

 

Diante de uma iminente volta dos manicômios (a “nova” Política de Saúde Mental) e do abandono da Redução de Danos como tecnologia de cuidado que se opõe à falida guerra às drogas, nós trouxemos uma edição especial com entrevistas e dados que mostram o estado da arte da saúde mental no Paraná, no Brasil e em alguns países do mundo.

 

 

Mas, as perdas recentes também atingem as(os) trabalhadoras(es), com a extinção do Ministério do Trabalho. Por isso, conversamos com o procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho no Paraná, Gláucio Araújo de Oliveira, para entender o papel que esta instituição terá no cenário sem a pasta que foi extinta em 2019 e tinha como algumas funções fiscalizar condições de trabalho e combater situações análogas à escravidão.

 

 

Esta edição da Revista Contato traz ainda informações importantes sobre o processo eleitoral do Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR), a ser realizado em agosto de 2019, além das já tradicionais e importantes colunas assinadas pela Comissão de Ética, de Orientação e Fiscalização e de Avaliação Psicológica, bem como pela Assessoria Técnica de Políticas Públicas.

 

 

Os tempos são de retrocesso, e por isso convidamos você, Psicóloga e Psicólogo, a se unir a nós nesta luta por uma sociedade mais justa e com respeito ao ser humano.

 

 

Boa leitura!

O dia 8 de março é um marco para a luta, mas a luta é o ano todo

O dia 8 de março é um marco para as lutas das mulheres por respeito, por liberdade, autonomia e garantia de direitos.  A comemoração ocorre em muitos países e a luta está presente no mundo inteiro, mas se torna essencial no Brasil, país que tem 13 mortes violentas de mulheres por dia e registrou quase 5 mil sentenças de feminicídio em 2017, segundo dados do Instituto Patrícia Galvão.

 

Em 2018, ao menos 9 mulheres foram vítimas de agressão sexual por minuto, de acordo com a pesquisa Visível e Invisível – A Vitimização de Mulheres no Brasil 2ª Edição, realizada pelo Datafolha e Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O número total é absurdo: 4,6 milhões de mulheres foram tocadas ou agredidas fisicamente por motivos sexuais apenas no ano passado. Somando todas as formas de agressão, uma mulher é vítima de violência a cada dois minutos.

 

A realidade se mostra difícil para as mulheres também no mercado de trabalho, pois recebem menos e, sobretudo quando são mães, têm suas oportunidades de contratação reduzidas. Mulheres negras e pobres estão ainda mais expostas à violência e ao preconceito.

 

Neste contexto, os temas ligados a mulher perpassam a Psicologia em todas as frentes e áreas de atuação. Essa é uma pauta constante e necessária, por isso, a luta também precisa ser diária.

 

Relembre abaixo algumas das reportagens publicadas e eventos realizados pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) no último ano:

 

Revista Contato | Visibilidades: o olhar da Psicologia para os movimentos sociais

A defesa dos Direitos Humanos está na base do Código de Ética Profissional do Psicólogo. A profissão reconhece, de longa data, os prejuízos às pessoas causados pelo preconceito, pela violência e pela discriminação decorrentes dele seja ela relacionada às questões étnico-raciais, de gênero, de orientação afetiva-sexual, de classe social ou qualquer outro elemento. Desta forma, é óbvio que as(os) profissionais que acolhem e que têm em sua base teórica e técnica o conhecimento e mecanismos para auxiliar as vítimas das violações aos direitos humanos devem defender irrestritamente estes mesmos direitos. 
O CRP-PR, portanto, cumpre seu papel ao orientar as(os) profissionais e procura oferecer elementos para auxiliar cada um na reflexão acerca da sua prática. Neste início de ano, apresentamos uma série de textos trazendo os temas emergentes em vários movimentos sociais e oferecendo informações acerca das práticas de Psicólogas(os) relacionadas a esses públicos.
A autarquia busca também a valorização e reconhecimento social dos profissionais de Psicologia. Apresentamos ainda algumas das principais demandas da categoria e as ações pelo fortalecimento profissional. Igualmente, o CPR-PR preza pela transparência e responsabilidade na gestão. Saiba mais sobre os resultados da avaliação da prestação de contas da instituição realizada por uma auditoria independente. Os textos são mais que informação: são um convite para que você, Psicóloga(o), venha participar conosco. 

Desejamos um excelente 2019 e boa leitura!

Revista Contato: última edição de 2018 fala de resiliência, saúde mental e muito mais

Os ditados populares costumam transcrever para a linguagem corriqueira os mais sábios conhecimentos. E está na “boca do povo”, como dizem, que “depois da tempestade vem a bonança”. Na última edição de 2018, queremos falar sobre como enfrentar a tempestade com mais resiliência e como buscar uma bonança que pode ou não ser aquela almejada antes da tormenta.

Você vai conhecer histórias de pessoas que venceram grandes dificuldades e entender, a partir de entrevistas com profissionais da Psicologia, os mecanismos cerebrais e subjetivos que nos levam a encontrar felicidade mesmo antes do fim do túnel.

A revista também reproduz na íntegra uma reportagem publicada pelo portal AzMina sobre a maneira como a loucura foi atribuída às mulheres ao longo da história “da histeria na antiguidade, passando pelas bruxas e as vítimas de eletrochoque, e chegando às esposas indesejadas internadas por maridos nos dias de hoje”. Um texto profundo e que instiga reflexões.

A edição ainda traz orientações sobre o atendimento online diante da nova Resolução CFP nº 011/2018, além do debate sobre a elaboração dos construtos da avaliação psicológica no contexto do trânsito e sobre as boas práticas em avaliação psicológica no âmbito educacional.

Desejamos a você, Psicóloga e Psicólogo, um excelente final de ano. Em 2019, estaremos juntos em nossa caminhada por uma Psicologia cada vez mais presente na sociedade!

Boa leitura!

Reportagem de capa da Revista Contato fala sobre Psicólogas(os) professoras(es)

Esta edição da Revista Contato é especial. Ela tem mais páginas para trazer a você, Psicóloga e Psicólogo, um pouco do que aconteceu durante o XVI Encontro Paranaense de Psicologia e o II Congresso Internacional de Psicologia da Tríplice Fronteira. O evento durou quatro dias e contou com atividades nos três turnos, abrangendo diferentes áreas de atuação e abordagens. Aqui, você vai conferir algumas reflexões, fotos e depoimentos, além de três entrevistas exclusivas com Leandro Karnal, Clóvis de Barros Filho e Viviane Mosé.
Contemplando os meses de setembro e outubro, trazemos duas matérias amplas que instigam debates importantes: uma sobre o universo das crianças e adolescentes – e seus graves problemas, como o suicídio e a automutilação – e outra sobre a identidade das(os) professoras(es) de Psicologia e o seu papel na formação ética de novas(os) Psicólogas(os).
A edição ainda traz cultura, com a reportagem sobre um grupo de teatro infantil apoiado pelo CRP-PR e uma resenha do livro “O demônio do meio-dia”, orientação nas colunas das Comissões de Ética e de Orientação e Fiscalização, consciência política com um texto sobre a união de forças em prol da Psicologia e o posicionamento embasado em números pela descriminalização do aborto.

Boa leitura!

Rolar para cima