Mais Psi

CRP-PR defende presença de Psicólogas(os) nas escolas em Seminário na ALEP

O Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) participou na última segunda-feira (13) do Seminário “Violência nas Escolas”, realizado na Assembleia Legislativa do Paraná por iniciativa da deputada Luciana Rafagnin. A instituição foi representada no evento pela Conselheira Carolina de Souza Walger (CRP-08/11381), que defendeu a presença de Psicólogas(os) nas escolas junto à equipe multidisciplinar, como forma de compreender as circunstâncias e causas da violência que está presente neste ambiente e também formas de prevenção.

 

A conselheira comentou que este problema presente na escola não está descolado de um cenário de violência na sociedade e ressaltou que questões como a violência de Estado, de gênero, racial, contra a orientação afetivo-sexual ou contra escolhas religiosas, além da desigualdade social e dos demais preconceitos estão na raiz destes problemas.

 

“Embora a gente use o termo violência na escola – e ele não está errado – a gente está falando de violência, portanto de uma violência que é social e que se reproduz no ambiente escolar. Nós estamos falando de diversos tipos de violência e nós não podemos entender as escolas descoladas da sociedade, como se o problema estivesse localizado exclusivamente nas escolas ou exclusivamente nas universidades, mas fora desses muros estivesse tudo perfeito”, explanou.  E complementa: “o fato é que as nossas crianças, adolescentes e jovens têm a escola como seu principal espaço de socialização e, naturalmente, é lá que a violência sofrida na sociedade e a violência sofrida muitas vezes dentro de suas casas irão se repetir, irão se reproduzir”.

 

A Psicóloga também ressaltou que o protagonismo da discussão pertence às(aos) professoras(es), alunas(os), pedagogas(os), inspetoras(es) de ensino e demais profissionais que atuam nas escolas, família e a comunidade, mas que a Psicologia pode e deve contribuir para a superação deste que é um desafio para a sociedade. “Esse debate só é possível de ser feito com quem vive na pele a violência, no dia a dia das escolas”, afirmou. No entanto, Carolina também ressaltou a importância da melhoria das condições de trabalho de professoras(es) e outros profissionais da educação, mas defende que não é razoável colocar sobre essas(es) profissionais o peso de resolver – sozinhos – a questão da violência nas escolas e a educação cidadã e devem contar com o apoio de outros profissionais, abrangendo a Psicologia.

 

Carolina explica que essa participação, no entanto, não deve ocorrer apenas em situações emergenciais e nem deve ser resumida a um processo de avaliação dos estudantes. Para ela, é preciso uma compreensão mais abrangente da atuação da(o) Psicóloga(o) no contexto escolar, o que inclui atividades com diversos públicos e de prevenção a partir de um olhar específico da profissão, necessitando de investimentos concretos do poder público. “Estamos falando de uma equipe multidisciplinar que consiga olhar e dar apoio a este professor que está em processo de sofrimento, para esses estudantes que estão em processo de sofrimento e, por que não, para essa comunidade em torno do contexto escolar que possa ser incluída neste trabalho.”

Conselheira Carolina de Souza Walger (CRP-08/11381) - segunda da direita para a esquerda - representou o CRP-PR na Audiência Pública

Debate

Participaram do seminário também o juiz auxiliar da segunda vice-presidência do TJ, Anderson Ricardo Fogaça, o procurador Olympio de Sá Sotto Maior Netto, a presidente da Comissão de Estudos sobre Violência de Gênero da OAB-PR, Helena de Souza Rocha, a chefe do Departamento de Diversidade e Direitos Humanos da Secretaria Estadual da Educação, Angela Nasser, o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, o funcionário escolar Paulo Lima, a professora Andréia Ferreira, da rede pública estadual, a professora Loriane Trombini, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e a estudante Alana Letícia de Souza.

Alana, de 13 anos, alertou para a necessidade de Psicólogas(os) na escola. Ela conta que a exposição midiática centrada nos executores de situações de violência como a enfrentada pela escola Raul Brasil, em Suzano, que colocam em evidência os agentes da violência, seus passos e métodos, podem inspirar outros jovens a cometer atos semelhantes. “A escola precisa passar confiança para o aluno. O aluno precisa saber que a escola pode ajudar. (…) Se houvesse mais funcionários, mais especialistas, como a Psicologia que sabe como lidar com esses assuntos, ajudaria muito, seria importantíssimo. Porque os professores não sabem como lidar com isso, um aluno pede ajuda, mas o professor não sabe como lidar da forma certa”, afirmou.

Ela também comentou que a prioridade para a educação está no discurso, mas não se reflete em investimentos na educação. “Como um aluno vai entender que a escola é importante, sendo que o governo não reconhece a importância dela? Como a importância dos professores? O governo precisa reconhecer a importância deles. A educação é a base de tudo, então, ele devia investir primeiramente nisto.”

Assista aqui, na íntegra, o Seminário “Violência nas Escolas”

Assista aqui, na íntegra, o Seminário “Violência nas Escolas”

Clique aqui

Discussão

O tema da violência nas escolas tem estado presente tanto nas discussões da Comissão de Psicologia Escolar e da Educação do CRP-PR como também nos debates promovidos durante as reuniões plenárias da instituição.

O CRP-PR também tem buscado a articulação junto aos parlamentares para a elaboração ou aprimoramento de Projetos de Lei que possam garantir a presença de profissionais da Psicologia no ambiente escolar e em outros projetos que envolvem a atuação de Psicólogas(os). Neste sentido, a instituição realizou também, no dia 08 de maio, reunião no gabinete da deputada Luciana Rafagnin e está buscando agenda com outros parlamentares para discutir assuntos caros à Psicologia.

A Psicoterapia como direito e competência das(os) profissionais Psi: Psicólogas(os) e Psiquiatras

“Na mesma medida em que vemos a sociedade cada vez com mais sofrimento mental e emocional, percebemos um aumento na oferta de serviços e profissionais que se propõem a atender estas situações, inclusive utilizando a psicoterapia.” A mensagem é o início de um vídeo gravado pela conselheira do Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR), Carolina de Souza Walger (CRP-08/11381), produzido para explicar a posição da instituição em relação à regulamentação da Psicoterapia como privativa de Psicólogas(os) e Psiquiatras.

A temática veio à tona novamente com uma proposta apresentada pela Associação Brasileira de Psicoterapia (ABRAP) intitulada “Reconhecimento e qualificação do psicoterapeuta: condições para a formação especializada”. A discussão, no entanto, é antiga – está em aberto desde 2009, escolhido como Ano da Psicoterapia –, e o prazo dado aos Conselhos de Psicologia para enviar contribuições foi considerado pelo CRP-PR como pouco viável, uma vez que é uma demanda que exige esforço coletivo dos Conselhos de Psicologia em fóruns adequados.

Competência e direito Psi

O CRP-PR acompanha e se mobiliza, por meio de suas Comissões de Psicologia Clínica e Assessoria de Políticas Públicas, nas discussões e projetos de lei para regulamentação da Psicoterapia – como o PL nº 7726/2017 , sempre com o posicionamento de que a psicoterapia é de competência e um direito de profissionais Psi: Psicólogas(os) e Psiquiatras. Isso porque a formação destas(es) profissionais é adequada para lidar com as questões envolvendo a saúde mental e emocional da população, com atenção para um serviço de qualidade.  

É neste sentido também que o CRP-PR elabora campanhas de conscientização da sociedade, como o slogan “Psicologia é com Psicóloga(o)” e o “Mais Psi: coloque mais Psicologia na sua vida”. Estas campanhas, realizadas em 2017 e 2018, respectivamente, envolveram também diversas ações nos mais diversos espaços públicos e redes sociais, de modo e levar para as pessoas a mensagem de que a Psicologia deve fazer parte de suas vidas e de que é preciso procurar profissionais com formação adequada para estes serviços.  

Veja também: Conheça mais da Campanha Mais Psi

Revista Contato traz especial sobre a Campanha Mais Psi

Quando nós, do CRP-PR, pensamos a campanha para o Dia da(o) Psicóloga(o) 2018, queríamos mostrar para a sociedade todos os benefícios da Psicologia,
e por isso criamos o slogan “+ Psi”. O desafio foi escolher as palavras que representam toda a força que a Psicologia tem em diversas áreas de atuação. Muitas vieram à nossa mente: tolerância, determinação, diversidade, compreensão, empatia, autoconhecimento, humanidade, justiça, encontros,
transformação, consciência, saúde, vida. 
O resultado final desta empreitada você encontra nesta edição especial da Revista Contato. São 15 palavras que representam algumas das muitas possibilidades de atuação das(os) Psicólogas(os) e, também, que falam sobre a contribuição do CRP-PR para uma Psicologia com mais respeito e consciência. Trouxemos, em cada texto, um pouco do que significa ser “+ Psi”. Queremos que você sinta orgulho de sua profissão: seu trabalho de todos os dias é parte deste todo que contribui para uma sociedade melhor.
E aí, vamos fortalecer a Psicologia?

CRP-PR lança campanha Mais Psi, em alusão ao Dia da(o) Psicóloga(o)

Mais Psicologia, mais saúde. Mais Psicologia, mais bem-estar. Mais Psicologia, mais autoconhecimento. Estes são apenas alguns dos inúmeros benefícios que a Psicologia pode trazer para você, sua família e amigos. Por isso, neste mês de agosto, em que comemoramos o Dia da Psicóloga e do Psicólogo, o CRP-PR preparou a campanha “Mais Psi” e convida você a aceitar o desafio de colocar mais Psicologia na sua vida. Ao longo do mês, até o dia 27, vamos trazer mais informações e algumas surpresas!
Assista ao vídeo. Compartilhe com a #MaisPsi. Ajude a levar a Psicologia para todas e todos!

Saiba mais em www.crppr.org.br/maispsi

Rolar para cima