Notícia

A intervenção com crianças com Síndrome de Down

Por Psic. Natália Cesar de Brito (CRP-08/17325)

Neste dia 21 de março, Dia Internacional da Síndrome de Down, ressaltamos a importância do trabalho da(o) profissional Psicóloga(o) com crianças com Síndrome de Down.

Embora possuam características físicas que deixem evidente sua condição clínica, a criança com Síndrome de Down também tem potencial de aprendizagem, talvez não nos mesmos moldes de crianças típicas, mas conseguindo alcançar seus objetivos, até que atinjam o máximo de independência possível.

Parte do trabalho da(o) Psicóloga(o) consiste na avaliação desta criança, realizada com base nas observações clínicas: quais as habilidades apresentadas por essa criança? Quais as limitações? O que pode ser desenvolvido e melhor adaptado?

É necessário estar ciente que as crianças apresentam diferentes níveis de comprometimento, e só após a avaliação, é possível estabelecer os objetivos a serem alcançados a curto, médio e longo prazo em um plano de trabalho individual, a ser revisado periodicamente. Outro quesito importante é que os conteúdos precisarão ser resgatados, para manutenção, garantindo a consolidação deste aprendizado pela criança.

Crianças precisam de estimulação global e cognitiva constantes, sendo expostas a situações de aprendizado sempre que possível. Experiências como a escola (inclusive o atendimento educacional especializado) são importantes para que a criança consiga treinar suas habilidades sociais, ainda que o façam com mediação. Isso facilita o reconhecimento e ampliação de seu repertório social, além de aumentar sua autoconfiança e aprendizagem.

A Síndrome de Down, como diagnóstico, consta nos livros, mas as crianças que encontramos durante toda nossa prática, precisam ter uma avaliação única, com um planejamento específico, voltado às suas necessidades. Síndrome de Down é um diagnóstico, e não uma sentença.